•  
     

Guarda israelense mata visitante judeu no Muro das Lamentações

Um segurança israelense matou nesta sexta-feira um visitante judeu no Muro das Lamentações de Jerusalém, aparentemente por engano, ao confundir a vítima com um militante palestino, anunciou a polícia. "Um homem judeu estava na área dos banheiros. Por uma razão desconhecida, o visitante gritou Alá Akbar (Deus é grande, em árabe)", disse o porta-voz da polícia Micky Rosenfeld.

"Um guarda de segurança sacou a arma e atirou várias vezes contra o suspeito, que não resistiu aos ferimentos", completou. A ação aconteceu 7h55 na praça diante do Muro, onde muitos fiéis cumpriam a oração matinal antes do sabbath, o dia sagrado da semana judaica.

O local foi fechado ao público durante pelo menos uma hora após o incidente. Rosenfeld, que anunciou a abertura de uma investigação, disse que as circunstâncias do incidente ainda não foram esclarecidas. "Nós nos centramos no passado do oficial que abriu fogo e nas motivações do outro homem, de 46 anos. Foi um comportamento, no mínimo, estranho", explicou.

Zeevi Hessed, diretor do serviço de emergências, afirmou ao site de notícias NRG que sua equipe chegou ao local pouco depois do anúncio da morte. "Quando chegamos ao local, o vimos estirado. Foi atingido por vários tiros. Infelizmente não havia nada que pudéssemos fazer e comprovamos a morte", disse Hessed.

Segundo a rádio pública, o guarda afirmou ter pensado que o homem retirava algo do bolso enquanto gritava 'Alá Akbar' e se preparava para atacá-lo. Mas a polícia não encontrou nenhum objeto suspeito no corpo da vítima, segundo a emissora. O canal de televisão 10 indicou que o homem assassinado sofria de problemas psiquiátricos.

Testemunhas afirmaram que o guaria atirou de sete a 10 vezes, sem justificativa aparente, pois o homem parecia um excêntrico inofensivo, segundo a emissora.

O rabino do Muro das Lamentações expressou grande tristeza depois do incidente. "Independente das circunstâncias é uma tragédia", disse. O Muro das Lamentações, cujo nome em hebraico significa literalmente Muro Ocidental, é um local sagrado para os judeus por ser um dos poucos vestígios do Segundo Templo, que foi destruído pelas legiões romanas no ano 70 depois de Cristo.

O muro fica ao pé da Esplanada das Mesquitas, terceiro local sagrado do islã, o que faz do local um dos mais sensíveis de Jerusalém com frequentes confrontos entre palestinos e as forças de segurança israelenses. O jornal Maariv informou vários casos de assassinato cometidos nos últimos meses por trabalhadores de empresas de segurança privadas em um país com grande número de armas em circulação.

"Há três meses, um segurança de 52 anos foi acusado de ter matado a tiros sua mulher. No mesmo mês, aconteceu outro terrível incidente na baía de Haifa (norte) quando um guarda de segurança matou a esposa, o filho e uma amiga antes de cometer suicídio", afirma o Maariv.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/orie ... aRCRD.html