•  
     

Entenda o por que o brasileiro gosta de celulares piratas

Imagem

A Anatel oficializou seu plano de caça aos celulares irregulares, que prevê o bloqueio dos dispositivos que não possuem certificação para operar no mercado brasileiro. Dentro dessa categoria, se destacam os celulares chineses de marcas desconhecidas, que muitas vezes são clones das grandes empresas, como Apple, Samsung, Nokia, Motorola e etc., que acabam tendo um sucesso considerável no mercado paralelo.

O Olhar Digital consultou o especialista em telecomunicações Almir Meira, professor da FIAP (Faculdade de Informática e Administração Paulista), para entender os motivos pelos quais as pessoas procuram estes aparelhos, que muitas vezes tem a qualidade reconhecidamente baixa.

O principal critério, obviamente, é o econômico. “Eles são mais baratos do que um de marca. Na Santa Ifigênia [popular rua de comércio de eletrônicos em São Paulo, eu pude encontrar equivalentes a um Samsung de R$ 2 mil por cerca de R$ 400 ou R$ 500”, conta ele.

No entanto, nem sempre o caso é de um aparelho ruim; às vezes a falta de uma marca de respeito é a principal diferença. “Olhando para as configurações, eles muitas vezes tem um hardware interessante e até se saem bem em termos de desempenho”, diz Meira.

Outro ponto importante abordado pelo especialista é que raramente as grandes marcas apostam em celulares com múltiplos chips, o que sobra nesses aparelhos chineses. Com a cultura da telefonia pré-paga do país, é comum os usuários optarem por estes dispositivos que às vezes oferecem opções com três ou até quatro chips, permitindo maior economia na hora de fazer ligações.

Segundo ele, os aparelhos “alternativos” mais procurados pelo público tem, em geral, telas grandes, para permitir uma navegação e usabilidade mais práticas. Eles também têm características estéticas que se aproximam dos aparelhos caros.


Problemas

Estes dispositivos chegam ao consumidor sem homologação, ou quaisquer tipos de testes. Assim, não há uma estimativa da potência irradiada pelo aparelho, ao contrário dos celulares convencionais.

Desta forma, não há nenhuma garantia de que a potência emitida não estará acima do limite recomendado, o que pode causar dor de cabeça e desconforto. Além disso, as ligações podem sofrer com mais ruídos e quedas, já que o hardware genérico não tem garantia de funcionamento adequado.


Fonte