•  
     

3 coisas incríveis inventadas por pessoas nada previsíveis

1 – A Teoria do Big Bang foi criada por um padre
Tudo começou quando um padre belga chamado Georges Lemaitre resolveu questionar a vida, o Universo e tudo o mais. Além de religioso, Lemaitre era um professor de Física com doutorado em Matemática e experiência em estudos de Astronomia em Harvard e no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês).

Você já parou para pensar em como eram os estudos astronômicos no início do século passado? Se hoje temos a ajuda de grandes agências espaciais como a NASA – que só foi fundada em 1958 –, com seus aparelhos que captam imagens em alta resolução e conseguem praticamente monitorar tudo o que acontece ao redor da Terra, na década de 1920, as coisas eram bem diferentes.

Lemaitre usou conceitos da Teoria da Relatividade, publicada por Albert Einstein em 1905, para fundamentar o que ele chamou primeiramente de “hipótese do átomo primordial”. À essa altura já se sabia que havia corpos celestes considerados pequenos pelos astrônomos de então, mas que viajavam a velocidades assustadoramente altas.

Essa consciência do movimento de tudo fez com que Lemaitre e seus companheiros de estudos seguissem um raciocínio que questionava a origem de todas as coisas. Suas conclusões o levaram a crer que o Universo sempre esteve em processo de expansão desde a explosão do tal átomo primordial. Essa explosão é o que hoje conhecemos como Big Bang.

É lógico que as ideias de Lemaitre não foram aceitas por todos inicialmente – não demorou para que ele recebesse o rótulo de “religioso maluco”. Quem acreditou na teoria do físico foi o Vaticano, tanto que ele chegou a virar presidente da Academia de Ciências da Igreja Católica em Roma. Hoje, a teoria é a mais aceita pela comunidade científica.
2 – Um garotinho de 11 anos inventou o picolé
Tudo bem que, se você quiser e tiver um pouco de empenho, é bem capaz de encontrar algum sorvete de palito feito de macadâmia, leite de búfala e frutas vermelhas com chocolate meio amargo, mas isso só é possível por causa de um menino chamado Frank Epperson.

A grande novidade de 1905 era o magnífico pó que, quando adicionado em água, virava suco. Em um belo dia, Frank estava aproveitando a novidade da nova bebida, mas acabou esquecendo seu copo na varanda de casa. Ele foi dormir e, como a temperatura à noite tinha caído muito, seu suco virou gelo.

O menino resolveu experimentar o gelo colorido e, logicamente, aprovou a versão sólida do seu suco esquecido. Seus amigos também gostaram da invenção do pequeno Frank. Quando percebeu que teria pessoas interessadas em experimentarem seu suco congelado, o garoto manteve-se quieto, e só em 1923, 18 anos depois, ele começou a criar suas próprias versões do produto.

O primeiro nome do que hoje chamamos de picolé foi “epsicles”, que era uma brincadeira com o sobrenome de Frank e a palavra gelo – seria algo como “geladinho do Epp”. O nome não pegou e logo mudou para “popsicles”, que significa “picolé” em inglês. O termo é usado até hoje.
3 – O homem que inventou a pílula anticoncepcional era católico
Já houve um tempo em que o único jeito de não ter filhos era deixar de fazer sexo, mas, depois que alguns pesquisadores começaram a perceber que era possível determinar o período fértil de uma mulher, as coisas começaram a melhorar.

Antes de se pensar em pílula anticoncepcional, o método mais usado era a famosa “tabelinha”, que, na verdade, nunca foi muito eficiente. Na década de 1930, um devoto católico chamado John Rock abriu uma clínica para ensinar o método de cálculo da tabela. Não demorou para que Rock começasse a trabalhar em pesquisas relacionadas à pílula anticoncepcional.

O comprimido capaz de interferir no processo de ovulação foi finalmente fabricado em 1950 e, independente de ter contribuído com isso e da opinião da Igreja a respeito, Rock se considerava um homem religioso. A pílula foi “catolicamente proibida” em 1968, Rock foi ridicularizado por alguns católicos e seu uso do contraceptivo ainda é polêmico.
Fonte